As redes sociais estão presentes no nosso dia a dia. Algumas pessoas usam para trabalhar, outras para estudar ou para divertir-se ou saber das notícias. A professora Dra. Barbara Borges que ministra aula para cursos como Biomedicina e Farmácia da Funorte e Fasi pensou em um modo de usar as redes em benefício dos acadêmicos. Ela incentivou os estudantes a postarem stories no Instagram explicando sobre o tema que cada um ficaria na sua aula. “O fato dos estudantes estarem sempre conectados e comentando sobre as novidades veiculadas pelo Instagram trouxe a possibilidade de fazer desta plataforma digital uma vitrine de conhecimento, tendo como base a qualidade e a simplicidade na transferência dos conceitos para o público geral”, explica.

Bárbara conta que a ideia surgiu enquanto ministrava a aula de sistema digestório e foi questionando os alunos sobre as patologias que poderiam ser encontradas no trato digestório. Essas perguntas geraram muita curiosidade nos alunos que começaram a pesquisar sobre os temas e fazer rodas de perguntas. Então, a docente idealizou expandir as explicações dos alunos para outro lugar que não fosse apenas a sala de aula.

Os acadêmicos que estão participando da metodologia são do 2º período de Biomedicina Fasi e falarão sobre o tema: “patologias do sistema digestório”. Esses stories serão produzidos por todo mês de abril. Ela conta que o objetivo da metodologia é aproximar os acadêmicos ao conteúdo ministrado em sala de aula em um ambiente menos formal.

 “No curso de Farmácia os acadêmicos abordarão as patologias do sistema nervoso, incluindo mal de Parkinson e Alzheimer com destaque para a sintomatologia, etiologia e farmacologia. Na Biomedicina Funorte será abordado saúde pública e epidemiologia, o foco da dinâmica. Já no mês de maio, serão as vigilâncias em saúde, sendo abordado como, por exemplo, o papel da vigilância sanitária em ambientes de comércio de alimentos.”

A professora acredita que o conhecimento aliado a novas ferramentas pode auxiliar os alunos a fixar melhor o conhecimento. “Creio que o novo tem em si o potencial de prender a atenção. Assim, aliar conteúdos de qualidade com a novidade da tecnologia, cria uma atmosfera facilitadora de aprendizado. Os alunos se divertem montando os vídeos, compartilhando, comentando, aperfeiçoando e detalhando seus conhecimentos sobre os assuntos abordados e assim aprendem mais.”

Marivânia Souza Santana, acadêmica do segundo período de Biomedicina, que gravou um vídeo sobre pancreatite, conta que participar dessa experiência foi muito interessante e a melhor parte é transmitir conhecimento. Para ela esse tipo de recurso de aprendizado agrega muitos valores e a ajuda a ser um profissional melhor. “Essa metodologia agregou muitos conhecimentos como a divulgação de informações, conhecimento e entendimento esclarecedor de forma simplificada que está nas mãos de todos nós, através dos nossos smartphones. O profissional que não se mantém ligado nesses novos conceitos de transmissão de informação, através de vídeos simples ou pelas redes sociais, sem expressões muito técnicas para as pessoas entenderem de um modo geral, em minha opinião, estão fardados a manter-se distante da realidade em que a população vive”.

Uso das novas tecnologias na sala de aula

A maioria dos alunos vive em contato com algum tipo de tecnologia seja, celular, tablet, smartphone. E esse uso implica na questão da educação, os alunos que aproveitam dessas tecnologias pedem que a educação tenha uma abordagem mais inovadora. Segundo pesquisa do TIC educação, 94% dos professores entrevistados acreditam que o uso de tecnologias possibilita o acesso a materiais didáticos mais diversos e de melhor qualidade.

 A professora Bárbara comenta que o Instagram é uma ferramenta muito ampla que pode ajudar apresentar nosso trabalho na instituição. “O Instagram permite acesso não só a alunos da turma de anatomia, mas, também, a outros estudantes de diferentes idades e instituições, funcionando como um expositor para o que estamos realizando na faculdade. Isso gerou maior interesse em meus alunos, ao buscar mais detalhes sobre os assuntos abordados, pois sabem que tais conceitos servirão de matéria-prima para a produção de vídeos de qualidade”.

Ela completa dizendo que essa dinâmica contribui para a construção do perfil de egresso que a faculdade busca. “Esse desmembramento da dinâmica vai ao encontro à construção de um perfil de egresso que nossa instituição busca, ou seja, um profissional comprometido com sua realidade local como ser transformador e fomentador de ações efetivas na sociedade”, conclui.

Enviar comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *