A dengue é um dos principais problemas de saúde pública no mundo. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), estima-se que entre 50 a 100 milhões de pessoas se infectam anualmente com a dengue em mais de 100 países. Embora pareça pouco agressiva, a doença pode evoluir para a dengue hemorrágica e a síndrome do choque da dengue, caracterizadas por sangramento e queda de pressão arterial, o que eleva o risco de morte.

O docente e coordenador do curso de Ciências Biológicas Funorte, José Bento Sampaio Júnior, explica que: “A dengue é uma doença causada por vírus transmitida pelo mosquito Aedes aegypti. A proliferação da doença está relacionada à proliferação do mosquito. Qualquer local que possa juntar água limpa e parada é um criadouro do mosquito. O perigo maior é em casa. Calcula-se que 90% dos focos do mosquito sejam domésticos”.

Eliminar água em vasos de plantas, tambores de água, pneus, garrafas plásticas, piscinas sem uso e sem manutenção, e até mesmo em recipientes pequenos, como tampas de garrafas ou casca de ovo ajuda a prevenir a proliferação do mosquito.

O coordenador do curso alerta que “O maior número de casos de dengue ocorre entre os meses de novembro e abril. Período em que, geralmente, ocorrem as chuvas. Isso ocorre porque o mosquito depende de água limpa e parada para se desenvolver. As maiores ofertas dos criadouros ocorrem durante o período de maior pluviosidade (chuva)” destaca.

No Brasil, são comuns os três tipos de dengue, o tipo quatro ocorre no país, mas é raro, sendo mais comum em outros países da América Latina. O tipo cinco ainda não foi encontrado no Brasil, apenas na Ásia. Cada pessoa pode ter os cinco tipos da doença, a infecção por um tipo gera imunidade permanente, apenas,para ele.

José Bento ressalta é que importante ficar em alerta com os sintomas da dengue que são: “febre alta, dores musculares intensas, dor ao movimentar os olhos, mal-estar, falta de apetite, dor de cabeça, manchas vermelhas no corpo. No entanto, a infecção por dengue pode ser assintomática (sem sintomas), leve ou grave. Neste último caso pode levar até a morte” pondera.

 

Enviar comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *